Deltan Dallagnol vai deixar força-tarefa da Lava Jato em Curitiba

terça-feira, setembro 01, 2020

União terá de pagar R$ 59 mil a Deltan Dallagnol por ofensas de Gilmar |  Congresso em Foco
Deve assumir o cargo o procurador Alessandro José Fernandes de Oliveira, que atualmente faz parte do grupo de trabalho da Lava Jato da PGR
Coordenador da Operação Lava-Jato em Curitiba (PR), o procurador Deltan Dallagnol vai deixar a força-tarefa após seis anos no comando das investigações. A informação foi divulgada nesta terça-feira (01/09) pelo Ministério Público Federal. Os motivos alegados referem-se a questões de saúde na família do procurador. Dallagnol postou um comunicado acompanhado de um vídeo em seu perfil no Twitter confirmando a decisão. Na mensagem, o procurador diz que sua filha, de 1 ano e 10 meses, apresentou sinais de regressão no desenvolvimento e que ele precisaria dedicar mais tempo na condução de tratamentos recomendados pelos médicos.
O Ministério Público informou que deve assumir o cargo o procurador Alessandro José Fernandes de Oliveira, que atualmente faz parte do grupo de trabalho da Lava Jato da Procuradoria-Geral da República (PGR), chefiado pela subprocuradora-geral Lindôra Maria Araújo, tida como braço direito do procurador-geral Augusto Aras. "Por todo esse período, enquanto coordenador dos trabalhos, Deltan desempenhou com retidão, denodo, esmero e abnegação suas funções, reunindo raras qualidades técnicas e pessoais. A liderança exercida foi fundamental para todos os resultados que a Operação Lava Jato alcançou, e os valores que inspirou certamente continuarão a nortear a atuação dos demais membros da força-tarefa, que prosseguem no caso", diz a nota.
A substituição ocorre em um momento de atrito entre a força-tarefa e o comando do MPF. Nos últimos meses, Aras tem buscado centralizar um amplo compartilhamento de dados entre todas as investigações em curso. O movimento tem enfrentado resistência entre as forças-tarefas regionais. O comandante da PGR também fala em "correção de rumos", o que gerou desconfiança e críticas na corporação.Além das questões familiares, Dallagnol enfrentava desgaste e respondia a processos disciplinares abertos no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Ele foi um dos principais alvos do vazamento de mensagens divulgado pelo site The Intercept Brasil em 2019.

Voce pode ler também

0 comentários

Publicidade - Themoneytizer

Denakop

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ