Medidas para coronavírus somam até 5% do PIB, mas governo volta às reformas depois, diz Guedes

domingo, março 29, 2020




As medidas para enfrentamento ao coronavírus somam de 4,8% a 5% do Produto Interno Bruto (PIB), num desvio transitório do foco do governo, que permanece sendo de reformas para retomada do crescimento, defendeu o ministro da Economia, Paulo Guedes, na noite de sábado (28/03). "Se nós fizermos um programa colossal de (medidas) emergenciais sem sinalizar as estruturantes, aí nós vamos desestabilizar as expectativas, aí começa o juro a subir, começa a inflação a subir e isso nós não podemos permitir", disse ele, ao participar de mesa redonda virtual com executivos da Investimentos XP.

Segundo Guedes, passado esse período de três, quatro meses, o país precisará destravar investimentos e aprovar projetos e reformas no Congresso Nacional Brasileiro com esse objetivo. O ministro também afastou a possibilidade de saída do governo, afirmando que isso é "conversa fiada total". Ele pontuou que, por conta dos gastos com o surto do Covid-19, o Brasil terá déficit primário "extraordinário" este ano. Mas o ministro afirmou que o Brasil arcará rapidamente com essa conta.

"Vamos pagar em um ano as despesas do coronavírus", disse Guedes. "Nós vamos vendendo, vamos fazer como fizemos no ano passado", acrescentou ele, lembrando de iniciativas levadas a cabo em 2019, como a venda de reservas internacionais pelo Banco Central do Brasil e a venda de ativos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Ao especificar os impactos fiscais de iniciativas já anunciadas, o ministro afirmou que o programa voltado aos autônomos e informais, de concessão de um vale de 600 reais por três meses, terá um custo de cerca de 50 bilhões de reais.

Voce pode ler também

0 comentários

Ministério da Saúde - Governo Federal

Publicidade - Themoneytizer